segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Sabe Deus Que Eu Fiz Isso Muitos Anos Atrás

"Permitam que lhes faça uma pergunta: seria por que vocês frequentam um local de culto? Vocês tem pensado bastante sobre isso, até mesmo em fazer essa pergunta? Vocês vão porque é tradição? As pessoas sempre vão à igreja nos domingos, vocês dizem. Mas a frequência à igreja é uma coisa que vocês fazem. Estão simplesmente perpetuando uma tradição. É grande o número de pessoas que vão à igreja por senso de dever, esperando cada semana que o culto não seja muito demorado. Toda semana elas não sentem nada; o culto foi absolutamente sem vida, o canto miserável, a entonação na leitura das Escrituras maçante. Não há poder, não há vigor. E devido elas entenderem que o cristianismo é isso, deram-lhe as costas. E estão perfeitamente certas. Esse é o passo lógico. Sabe Deus que eu fiz isso muitos anos atrás. E eu não estaria num púlpito cristão agora se não fosse o fato de que enxerguei através dessa idéia falsa. Não se pode encaixar isso no livro de Atos. Isso é religião tradicional, formal, seja qual for a forma que acaso tome e seja qual for a denominação em que apareça"

LLOYD-JONES, D. M. Cristianismo Autêntico: sermões sobre Atos dos Apóstolos. Editora PES, 1edição, volume 1, pg. 32. São Paulo-SP, 2005.

3 comentários:

Apologeta E.F.O. disse...

Paz e Graça amado irmão Danilo Neves! Gostei muito de suas colocações no artigo do Pr. Solano Portela! Realmente precisamos combater essa tendência ao "intelectualismo católico" que tem dominado muitos dos seminários cristãos. Isso é terrível, por isso devemos estar fudamentados na máxima de Paulo: porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? ( II Coríntios 6:14-16) Nós sabemos a resposta: Nenhuma!

Jesus, O Eterno Verbo te guarde!

Evangelista Eduardo França (Pentecostal, Fundamentalista e Apologista-Polemista)

Ricardo Mamedes disse...

Caro irmão Danilo,

Hoje mesmo troquei emails com um irmão reformado, calvinista, pastor batista, exatamente comentando sobre essa "languidez" evangélica. Por muitos anos eu também estive lá. E nada encontrei, senão o silêncio e o vazio.

Disse ainda ao amigo pastor que, ao contrário do que muitos pensam erroneamente, encontrei um Deus Todo Poderoso e soberano no calvinismo. Esse Deus mostrou-me maravilhas: eu precisava dEle e não O encontrava... Hoje O encaro com a mais absoluta reverência, amando-O e ao Seu Filho. Eu me emociono ao ler a Sua Palavra e ao me relacionar com os meus irmãos. Mesmo nas dificuldades e tribulações consigo agora encarar o dia de amanhã com esperança, pois tenho a certeza do porvir.

Grande abraço irmão. Sinto falta dos seus comentários propositivos no meu blog.

Em Cristo,

Ricardo

Filósofo Calvinista disse...

Caro Danilo:

Boa reflexão. Sempre digo que nos extremos mora o perigo. Tanto um como outro são bem complicados. O bom senso, baseado nos ensinamentos das Escrituras, deve nortear nossa vida.

Lembra daquele primeiro artigo sobre "O princípio Regulador do Culto"? Muito bem. Publiquei a segunda parte. Gostaria de convidá-lo e a todos os seus leitores a analisarem o que postei. Fiquem à vontade para criticar, discordar, etc.In:

www.filosofiacalvinista.blogspot.com

Tudo de bom!