domingo, 30 de agosto de 2009

Não Basta Dizer: "Eu Creio em Cristo"

“Ora, essa é uma das muitas formas pelas quais vocês podem evocar a “differentia” do cristianismo. Esse é o elemento que separa a fé cristã de todas as demais religiões. Seus fundadores, ainda que importantes, não são absolutamente essenciais a elas. Se Buda jamais tivera existido, ainda poderíamos ter o budismo. Se Maomé jamais tivera vivido, ainda poderíamos ter o islamismo. Nas demais religiões, o ensino é que importa, e a pessoa não é essencial. As demais pessoas o poderiam ter realizado igualmente bem, e o ensino permaneceria o mesmo.

Mas isso não é o que sucede com a fé cristã. O cristianismo, como se tem salientado amiúde, é o próprio Cristo. Ele não é apenas central; Ele é absolutamente vital. Temos, pois, de cuidar para que nos preocupemos primária e invariavelmente com Ele. Aqui está algo que terei, evidentemente, de enfatizar com freqüência, mas a pedra de toque da profissão de fé cristã de alguém é, necessariamente, aquela de uma relação pessoal com o Senhor Jesus Cristo. O que evidencia imediatamente que tantos dos que se chamam cristãos, e não o são, é o fato de Cristo como pessoa não ser absolutamente essencial para eles.

Estou me referindo aqui a pessoas que pensam que um cristão é apenas um bom homem ou uma boa mulher. Obviamente, é possível ser uma boa pessoa sem mesmo mencionar o Senhor Jesus Cristo. Mas no cristianismo Ele é vital, e se a verdade a Seu respeito não for a verdade, toda a posição se desvanece. Ora, isso é algo que ninguém pode enfatizar demasiadamente. A fé cristã está inteiramente voltada para Ele, ,para quem Ele é, para o que Ele tem feito e para o que fez válido e possível para nós. E assim vocês descobrem a vital importância de termos plenamente claro em nossas mentes e de sermos absolutamente certos sobre todas essas coisas.

Portanto, não apresento nenhuma apologia por fazer uma colocação tão dogmática e tão abrupta quanto essa. Para mim, aqueles que se desculpam em dizer tal coisa são duvidosamente cristãos, se é que de fato são cristãos. Há certa intolerância acerca da fé cristã, expressa pelo apóstolo Paulo nestes termos: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema {amaldiçoado}.” (Gálatas 1.8). E nós temos de afirmar a mesma coisa. A verdade é clara, é bem definida, e perfeitamente definida, e devemos ter certeza, pois, como respeito ao que cremos sobre Ele. Não basta dizer: “Eu creio em Cristo”. O que cremos sobre Cristo?”


D. M. Lloyd-Jones

4 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Irmão Danilo!

Coloquei este site precioso na lista de "sites suspeitos" no Genizah!

Paz e Bem!

Danilo

http://www.genizahvirtual.com/

Danilo Carlos disse...

Boooaa Lloyd-Jones...Essa última frase resume toda sua explicação: "Não basta dizer: 'Eu creio em Cristo'. O que cremos sobre Cristo?"

Todos nós sabemos que existem muitas pessoas que se dizem cristãs mas não sabem nada a respeito de cristo e muito menos pratica seus ensinamentos. Mas não vejamos esta mensagem do Lloyd Jones como "carapuça" para alguém. Pensemos nas nossas vidas: O que cremos e sabemos sobre Cristo?

Danilo Neves disse...

Danilo, pela primeira vez gostei de estar numa "lista de suspeitos", cara rsrs. Obrigado, meu irmão, por divulgar este blog. O Genizah é uma proposta ousada, bem humorada de blog cristão. Espero que as risas ali possam nos convidar sempre e sempre pra uma reflexão séria do que está ao nosso redor e na palavra. E isso tem sido feito enquanto tenho acompanhado. Amém!

Danilo Neves disse...

Danilão, o Piper fez uma msg bem parecida com essa última frase. Dá uma olhada lá, meu irmão:

http://www.youtube.com/watch?v=C7ONi0vax9w

A pergunta é boa pq ela vai mais a frente do que geralmente queremos ir. Ele vai mais a fundo, cavuca mais a nossa alma, nos instiga a pensar nos detalhes da nossa fé. O que nós cremos sobre Cristo? é a pergunta para os que estão na igreja e talvez não são a igreja.