quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Como podemos detectar uma forma de entretenimento maligna?*


 “Quando escrevia aos tessalonicenses, Paulo fez uma afirmação muito séria e categórica: “Abstende-vos de toda espécie de mal” (1Ts 5.22). Cheguei à conclusão, quando estou assistindo à televisão, para abster-me “de toda espécie do mal” preciso manter meu discernimento alerta e o controle remoto ao alcance. Aquilo que no começo parece um programa inofensivo pode se tornar uma “espécie de mal”. Como podemos detectar uma forma de entretenimento maligna?

Em seu livro Worldly Amusements, Wayne Wilson diz que as formas de entretenimento são malignas quando “promovem uma mensagem maligna” ou “utilizam métodos malignos”. Promover uma mensagem maligna é apresentar o pecado como algo atraente. Consideremos isso com detalhes, mas é importante notar aqui a natureza de um método maligno. Utilizar um método maligno é empregar o próprio pecado como fonte de entretenimento. Há muitos exemplos disso. Pense nos reality shows. É comum que o pecado da fofoca seja adicionado gratuitamente à mistura: separados do “jogo” ou da “trama”, os participantes são entrevistados por um câmera particular para caluniar os outros. A difamação é oferecida como uma iguaria a ser saboreada pelos expectadores. Essa prática pode parecer inofensiva, já que não nos relacionamos com essas pessoas na vida real. Porém, a realidade é que a calúnia está sendo usada como fonte de entretenimento. Aparentemente inofensivo, de acordo com os padrões culturais, é um método maligno que usa o pecado como forma de entretenimento.

Quando se torna evidente que aquilo que estamos assistindo promove uma mensagem maligna ou utiliza um método maligno, devemos ter uma atitude pró ativa e parar de assistir a esse programa ou filme. Agradar ao Senhor significa rejeitar o mal quando ninguém está nos vendo ou ninguém sabe. O salmista fala desse tipo de integridade:

“Seguirei o caminho da integridade; quando virás ao meu encontro? Em minha casa viverei de coração íntegro. Repudiarei todo mal. Odeio a conduta dos infiéis; jamais me dominará! Longe estou dos perversos de coração; não quero envolver-me com o mal.” (Salmo 101.2-4 NVI)

Estes versículos facilmente se aplicam a assistir a programas e filmes com uma atitude pró ativa. O salmista descreve um temor do Senhor que o leva a não conhecer o mal e a não colocar coisa torpe diante dos seus olhos.  O compromisso dele é andar em sua casa com integridade de coração. Isto é, ele obedece ao Senhor quando ninguém está vendo. Para honrarmos a Deus em casa, assim como o salmista, devemos pegar o controle remoto ou clicar com o mouse quando uma “coisa torpe” aparecer. ”



*Texto extraído do livro “Mundanismo: como resistir à sedução de um mundo caído”, org. por C. J. Mahaney, ed. Tempo de Colheita, p. 47,48.

Um comentário:

Bruno Lima disse...

É por isso que cada dia mais eu estou mais certo de que não terei uma televisão na minha casa quando me casar. 99% do que passa na TV é maligno, logo o melhor a fazer é não assistir mais TV.